GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Brasil

Depoimento de Odebrecht ameaça governo de Temer

Nesta quarta-feira (01), o ex-presidente e herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, depôs em Curitiba, como testemunha no processo do TSE que pretende cassar a chapa Dilma-Temer de 2014. Seu depoimento está mantido sob sigilo, a pedido da PRG (Procuradoria-Geral da República). O depoimento foi agendado pelo ministro Herman Benjamin, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), relator do processo movido pelo PSDB.

A expectativa é de que o empresário tenha falado sobre os esquemas de caixa dois na arrecadação da campanha presidencial de 2014. A suspeita é de que membros do PMDB tenham recebido mais de R$ 10 milhões em propinas da empreiteira.

O dinheiro de origem ilícita seria entregue por representantes da Odebrecht no escritório de advocacia de José Yunes, amigo de Temer e assessor especial da presidência, servindo para duas finalidades: financiar a campanha eleitoral do PMDB e do PT em 2014, e comprar apoio de parlamentares para a eleição de Eduardo Cunha como presidente da câmara dos deputados.

PROPINAS ENTREGUES NO ESCRITÓRIO DO AMIGO DE TEMER

O depoimento de Marcelo era muito esperado, principalmente após o vazamento de trechos da delação de Cláudio Melo filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, no âmbito da operação Lava Jato. Cláudio afirmou ter usado o escritório do advogado José Yunes, amigo pessoal de Temer e ex-assessor especial da presidência da república, para entregar propina a políticos do PMDB em 2014.

Depois de ser exonerado do cargo após a delação, Yunes confessou, em fevereiro de 2017, ter recebido “um pacote” cujo conteúdo desconhecia. Yunes nega participação no esquema, e diz que serviu apenas como “mula  involuntária” de um esquema comandado pelo Ministro-Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. No momento em que a declaração vinha a público, Padilha pedia afastamento do cargo, alegando que iria cuidar da saúde. Padilha é mencionado como peça importante na transação entre empreiteiros e políticos do PMDB.

Depoimentos de vários delatores da Lava Jato dão a entender que a encomenda à qual Yunes se refere possa ser parte dos pagamentos que abasteceram as campanhas políticas do partido da chapa Dilma/Temer em 2014.

FUTURO DE TEMER EM RISCO

O futuro do presidente Michel Temer pode estar em risco após as delações. Citado mais de 40 vezes ao longo da operação Lava Jato, a confissão do amigo Yunes e o conteúdo do depoimento de Marcelo Odebrecht podem selar a cassação da chapa, impedindo Temer de continuar no cargo. Enquanto não cair o sigilo da delação da Odebrecht, o teor não poderá ser revelado.

A defesa do presidente Michel Temer estuda questionar a legalidade dos depoimentos de delatores da Odebrecht, incluindo o do ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht, ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Segundo a reportagem do jornal Folha apurou, a ideia da defesa é argumentar que os ex-executivos da empresa foram chamados a falar ao TSE somente após o vazamento ilegal do conteúdo da delação de Cláudio Melo filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht.

A expectativa é que os delatores confirmem ao TSE a versão de Melo Filho que, em colaboração com a força-tarefa da Lava Jato, disse que, em 2014, durante um jantar no Palácio do Jaburu com a presença de Temer e do hoje ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ficou acertado o pagamento de R$ 10 milhões para a campanha do PMDB daquele ano. Caso esses executivos apresentem dados novos que possam complicar a situação de Temer, a defesa do presidente pode pedir nulidade dos depoimentos.

Com essa estratégia, auxiliares de Temer pretendem adiar a ação no tribunal que julga abuso de poder econômico da chapa formada pelo peemedebista e pela ex-presidente Dilma Rousseff, o que poderia acarretar na cassação do mandato do presidente.
A expectativa no Planalto é que o processo seja adiado até 201

Os advogados de Temer estudam apresentar “contraprovas”, como novas oitivas de pessoas mencionadas na ação, para tentar adiar ainda mais o desfecho do julgamento.

Auxiliares de Temer esperam que o processo seja postergado, inclusive, para depois de outubro deste ano, quando se encerra o mandato do relator da ação no TSE, ministro Herman Benjamin, que será substituído por outro ministro, indicado por Temer.

Além dele, em abril e maio, o presidente poderá indicar dois novos magistrados para o tribunal, quando se encerram os mandatos de Henrique Neves da Silva e Luciana Lóssio, respectivamente.

Caso a ação seja julgada somente em 2018, ao invés de uma eleição indireta para presidente da República, o pleito do ano que vem seria antecipado em alguns meses.

DOL

Postagens relacionadas

Onça carrega sucuri viva na boca em pousada no Pantanal; veja vídeo

Gilberto Silva

Preço da gasolina e do diesel nas bombas termina a semana em alta, diz ANP

Gilberto Silva

CNH passa a contar com QR Code contra falsificações

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies