GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Brasil

Produtos químicos eram usados para disfarçar carnes vencidas, diz polícia

O delegado federal Maurício Moscardi Grillo afirmou, na manhã desta sexta-feira (17), que produtos químicos foram usados pra disfarçar a carne vencida. A Polícia Federal (PF) repassou mais detalhes sobre a operação “Carne Fraca”, que apura irregularidades no comércio dos produtos, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (17).

“Eles usavam ácidos e outros produtos químicos para poder maquiar o aspecto físico do alimento. Usam determinados produtos cancerígenos em alguns casos para poder maquiar as características físicas do produto estragado, o cheiro”, disse.

Moscardi também disse que água era injetada na carne para que o peso aumentasse. Também foi verificada a falta de proteína na carne. “Foi trocada por fécula de mandioca ou proteína da soja, que é muito mais barata, mais fácil de substituir”, explicou.

Moscardi acrescentou que nem mesmo os fiscais envolvidos, que costumavam ganhavar carnes dos proprietários como benefício, estavam aguentando a má qualidade dos produtos. “Eles comentavam entre si que não estava mais dando para receber”, disse.

Além de Moscardi, participam da coletiva de imprensa o superintendente da PF, Rosalvo Ferreira Franco; o delegado federal Igor Romário de Paula; e o auditor da Receita Federal Roberto Leonel de Oliveira Lima.

A operação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. A denúncia foi feita por um deles.

Segundo a polícia, a “Carne Fraca” é a maior operação já realizada pela PF no país. Pela manhã, funcionários do ministério foram detidos.

As investigações chegaram às principais empresas do setor, como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas.

Gravações telefônicas apontam que frigorificos vendiam carne vencida tanto no mercado interno, quanto para exportação.

A operação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. A denúncia foi feita por um deles.

Segundo a polícia, a “Carne Fraca” é a maior operação já realizada pela PF no país. Pela manhã, funcionários do ministério foram detidos.

Foram investigadas grandes empresas do setor, como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas. Também há envolvimento, segundo a PF, de frigoríficos menores, como Mastercarnes, Souza Ramos e Peccin, do Paraná, e Larissa, que tem unidades no Paraná e em São Paulo.

 

G1

Postagens relacionadas

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 7 milhões

Gilberto Silva

CNH digital já está disponível para celulares

Gilberto Silva

Marcelo Rezende deixa fortuna para namorada e gera guerra com filhos

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies