GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Mundo

Assembleia Geral da ONU condena invasão da Rússia à Ucrânia

Com o apoio do Brasil, a Assembleia Geral das Nações Unidas condenou a invasão da Rússia à Ucrânia.

Foram 141 votos a favor da resolução que condena a invasão russa e pede a retirada das tropas da Ucrânia. Trinta e cinco países se abstiveram e apenas cinco votaram contra: BelarusCoreia do NorteEritreiaRússia e Síria.

O embaixador brasileiro Ronaldo Costa Filho votou a favor e disse que estamos vivendo circunstâncias excepcionais, e que o Brasil compartilha da convicção de que a Assembleia Geral não poderia ficar em silêncio.

Ele afirmou que a resolução é apenas um primeiro passo para alcançar a paz e fez algumas ponderações sobre o texto. “A paz sustentável precisa de passos adicionais. A paz requer mais do que silenciar as armas e retirar as tropas. Requer um trabalho amplo sobre as preocupações de segurança das partes. A única precondição deveria ser um cessar-fogo imediato”, af

Costa Filho disse que a resolução “não pode ser vista como permissiva em relação à aplicação indiscriminada de sanções e ao envio de armas”.

aQ

“Essas iniciativas não são condizentes com a retomada do diálogo diplomático construtivo e geram risco de escalada maior das tensões, com consequências imprevisíveis”, ressaltou.

 

Mais tarde, em entrevista à correspondente Carolina Cimenti, o embaixador explicou o voto brasileiro.

“A posição básica do Brasil é de grande preocupação pelo conflito em si, pela consequência da guerra sobre a vida de cidadãos inocentes na Ucrânia. As sanções, em geral, o fornecimento de mais armas para a região, nós entendemos que são medidas que podem, como eu dizia, acirrar os ânimos entre as partes”, afirmou Ronaldo Costa Filho.

 

China alegou que não teve escolha a não ser a abstenção diante da história e da complexidade da crise, e pediu que os países abandonem de vez a mentalidade da Guerra Fria de expandir blocos militares que ameassem a segurança de outros países.

Antes da votação, a embaixadora americana nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, disse que a guerra que força bebês a se esconderem em abrigos antibombas foi a escolha de um único homem: o presidente russo Vladimir Putin.

E fez um apelo: “Pedimos que a Rússia acabe com essa guerra não provocada, injustificada e sem razão. Que respeite a soberania e integridade territorial da Ucrânia. Estamos juntos em responsabilizar a Rússia pelas violações das leis internacionais e pela horrível crise humanitária que acontece diante de nossos olhos”, disse Linda Thomas-Greenfield.

 

Sergey Kislitsa, da Ucrânia, disse que muitos podem olhar para o banho de sangue na Ucrânia e pensar: “’Não é minha guerra’. Mas isso é um erro. O mal nunca vai parar, vai sempre querer mais e mais espaço para conquistar. Se for tolerado, vai avançar cada vez mais. Essa resolução é parte da construção de um muro para deter o mal”.

 

O embaixador russo Vasily Nebenzya pediu que os países votassem contra a resolução. Acusou a ONU de pressionar as delegações a apoiar o texto com ameaças cínicas e abertas. E disse que os ucranianos estão usando a população civil como escudos humanos.

O secretário-geral, António Guterres, disse que a mensagem da ONU para acabar com as hostilidades, silenciar as armas e abrir a porta para o diálogo foi alta e clara: “Não temos tempo a perder. Os efeitos brutais do conflito são visíveis. Por pior que seja a situação do povo da Ucrânia agora, ainda pode ficar muito, muito pior. É uma bomba relógio”.

 

A resolução deixou a Rússia ainda mais isolada no cenário internacional. Apesar de não ter efeito prático, tem um enorme peso político. É uma demonstração clara de que a maioria dos países do mundo, reunidos nas Nações Unidas, quer o fim da agressão russa contra a Ucrânia.

G1 publicou o posicionamento assumido por todos os países representados na votação desta quarta-feira (2) na Assembleia Geral da ONU.

Postagens relacionadas

Por que os morcegos, considerados possível fonte do coronavírus, transmitem tantas doenças

Gilberto Silva

Pessoas são mais importantes do que economia, diz Papa Francisco sobre pandemia

Gilberto Silva

Ex-aluno problemático, autor de tiroteio na Flórida avisou sobre massacre nas redes

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies