GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Tocantins

Governo entrega oficialmente Banco de Olhos do Tocantins

Formado por uma equipe multidisciplinar com estrutura que permite a abordagem, a captação, o preparo e o armazenamento de córneas para transplante, o Banco de Olhos do Tocantins (Boto) funciona dentro do Hospital Geral de Palmas (HGP) e será entregue oficialmente pelo Governo do Estado nesta quinta-feira, 16, às 9 horas.

Desde dezembro de 2016, quando foi habilitado pelo Ministério da Saúde, o Boto já recebeu cinco doações de córneas e realizou 18 transplantes. Atualmente, 14 pacientes do Estado estão na lista para realização do procedimento.

Dentre as atribuições, o Banco de Olhos identifica os potenciais doadores e aborda familiares na busca do consentimento pela doação, o que segundo a oftalmologista do Boto, Núbia Freitas, é um dos maiores desafios. “Como não se fazia transplante no Estado, não há cultura de doação. No entanto, é preciso que as pessoas se sensibilizem e informem em vida aos seus familiares sobre seu desejo de doar órgãos”, destacou.

Qualquer paciente acima de dois anos e abaixo de 70 anos é um potencial doador de córneas, que podem ser retiradas, com autorização expressa dos familiares, até seis horas após o falecimento do doador. A doação passa por avaliação por meio de exames de sorologia para certificar se o doador não possui doenças transmissíveis, como HIV e hepatites, bem como avaliar a qualidade do tecido, tudo para garantir êxito no transplante. Se as córneas puderem ser transplantadas, a Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos do Tocantins (CNCDO-TO) faz a convocação do paciente da lista de espera do Estado e realiza o procedimento. Após a retirada do tecido do doador, a córnea deve ser transplantada no prazo máximo de 14 dias.

Fluxo de atendimento

A oftalmologista Núbia Freitas explica que para o cidadão entrar na lista de espera de transplante é necessário que realize uma consulta com oftalmologista e que este lhe dê indicação para o procedimento. Com a indicação médica, a pessoa pode procurar a Regulação Estadual, que a encaminhará para o HGP. No ambulatório do hospital, um oftalmologista fará um laudo médico confirmando a necessidade e encaminhando o paciente para avaliação da equipe de transplante, que vai cadastrar o usuário do SUS no Sistema Informatizado de Gerenciamento. A partir daí, ele já está na lista da Central Nacional de Transplante.

Ainda segundo a oftalmologista, a equipe transplantadora pode receber córneas de qualquer Banco de Olhos do Brasil, pois é credenciada pelo Sistema Nacional de Transplante. “Por isso, a importância de ter um Banco de Olhos no Estado, pois quanto mais bancos funcionando, maior é a oferta de córneas. A prioridade são os pacientes do Estado e se, por acaso, não tivermos pacientes ou a lista zerar, então a córnea é ofertada para todo o Brasil, por meio do sistema nacional, que une todas as listas”, explicou.

Captação e Distribuição

Segundo Patrícia Nossal, gerente da CNCDO-TO, a Central de Regulação está identificando os pacientes que foram encaminhados para outros estados, por meio do setor de Tratamento Fora de Domicílio (TFD), que está entrando em contato e marcando as consultas no ambulatório do HGP com a equipe transplantadora. “Após a avaliação, a confirmação da necessidade do transplante e o interesse do paciente em ser transplantado no Tocantins, a Central de Transplantes fica responsável pela transferência dos pacientes diretamente com a central do estado onde o paciente está inscrito”, esclareceu.

Banco

Dois hospitais estão habilitados para a realização deste tipo de transplante no Tocantins, o Hospital Geral de Palmas, e um privado. A doação de córneas pode ser realizada por meio de contato direto com o Banco de Olhos pelos telefones 063 3218-1061 ou 063 99208-9392. Mais informações podem ser obtidas pelos endereços: boto@saude.to.gov.br e www.facebook.com/bancodeolhosdotocantins/.

A córnea

A córnea é um tecido localizado em frente à pupila (menina dos olhos). É fundamental que ela tenha transparência e formato normal para ter uma boa visão. Situações onde ocorrem a perda da transparência (devido a doenças da córnea, úlceras infecciosas ou cicatrizes) ou perda do formato normal (em casos de doenças como ceratocone) podem prejudicar a visão do paciente e impedi-lo de exercer as atividades diárias.

Nestas situações, o transplante de córnea pode fazer com que a pessoa recupere a visão.

Postagens relacionadas

PM prende homem por tráfico de drogas em Colinas do Tocantins

Gilberto Silva

Começou a Copa Tocantins de Ciclismo de Estrada – Ciclista de Araguaína (Aurélio) conquista boa pontuação na 1º etapa

Gilberto Silva

Programa Tutoria Pedagógica proporciona avanços na educação do Tocantins

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies