GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Tocantins

Justiça do Tocantins bloqueia bens do ex-prefeito de Fátima – Ele teria gasto R$ 724 mil abastecendo frota no próprio posto

Atendendo a pedido em Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público Estadual (MPE), a Justiça deferiu liminar determinando a indisponibilidade dos bens do ex-prefeito de Fátima, Luiz Sardinha Mourão. O valor do bloqueio é de até R$ 144.009,51.

Segundo a 5ª Promotoria de Justiça de Porto Nacional, o bloqueio é necessário porque foram encontradas ilegalidades em despesas realizadas pelo município, de janeiro a março de 2010. A ACP aponta que tais despesas foram intermediadas pela Associação Tocantinense de Municípios (ATM) e efetuadas sem nenhum controle público e sem transparência, destinadas a pagamentos de hospedagem em Palmas, Goiânia e Gurupi, além de refeições em conhecidos restaurantes da Capital tocantinense.

 

Sobre os gastos com combustíveis, peças e serviços de manutenção, a ACP aponta que mais de R$724 mil foram pagos sem comprovação da destinação dada e com a gravidade de que um dos fornecedores de combustíveis da prefeitura de Fátima, o Auto Posto Mourão Ltda., tem como sócio-administrador o próprio ex-prefeito Luiz Sardinha Mourão. “Assim, resta comprovado que houve o consumo excessivo de combustíveis pagos com dinheiro público, sem controle de abastecimento e sem transparência e que beneficiaram a empresa da família do próprio gestor”, destaca o Promotor.
Refeições e hospedagem

Auditoria realizada do Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontou que as despesas com alimentação e hospedagem foram elevadas e somaram um total de R$ 31.369,82. Fato considerado grave pelo Promotor de Justiça Vinícius de Oliveira e Silva, autor da Ação, uma vez que os serviços foram pagos com dinheiro público e sem qualquer comprovação de que tais despesas tenham finalidade pública e não pessoal.
O Promotor ressalta que os valores públicos eram repassados a maior para a ATM, não para ficarem no caixa da associação a título de contribuição, mas sim para serem destinados ao pagamento de despesas de hospedagem e alimentação, com altos custos, sem qualquer prova de finalidade pública. Considera, ainda, que os valores repassados à ATM estavam acima do percentual de 0,5% permitido por Lei.

MPE TO

Postagens relacionadas

Novo decreto de Araguaína reabre Parque Cimba com regras e dá autonomia para instituições de ensino particulares retornarem

Gilberto Silva

Governo apresenta proposta e greve dos fiscais da Adapec chega ao fim

Gilberto Silva

Costa Esmeralda e outros setores recebem cursos profissionalizantes gratuitos

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies