GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Tocantins

“Não havia necessidade de me abordar com a Rede Globo à minha porta”, reclama deputado

Em discurso realizado na sessão vespertina desta terça-feira, dia 4, o deputado Zé Roberto (PT) rechaçou a forma como foi abordado pela Polícia Federal (PF) na manhã da última segunda-feira, 3 de abril. Na oportunidade, o órgão de segurança cumpria a operação denominada “Rota 26”, que tem por objetivo investigar supostos desvios de recursos públicos cometidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em obras de implantação e recuperação de estradas vicinais em projetos de assentamentos no Estado. Efetuada em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU), a ação se refere ao período em que o parlamentar foi superintendente do Incra no Tocantins.

Apesar de reconhecer o papel fiscalizador dos órgãos de controle, o deputado afirmou que não se pode aceitar o abuso que alegou ter-lhe ocorrido. “Moro em Palmas há muitos anos, nem passaporte tenho. Não havia necessidade de me abordar da maneira com que fui abordado, inclusive com a Rede Globo à minha porta. Da forma como ocorreu, foi para me expor”, garantiu. O parlamentar alegou que, se um representante parlamentar sofre tal abordagem, excessos ainda maiores podem ser cometidos contra o cidadão comum.

“O interrogatório envolveu a prorrogação de convênios realizados em 2007 e 2008. O processo só foi iniciado em 2015 pela CGU, oito anos após a realização das obras em questão!”, admirou-se Zé Roberto. Conforme garantiu, todos os seus atos quando era superintendente se deram de acordo com o parecer das equipes técnica e jurídica do Incra. Ele também garantiu que, durante sua gestão, era questionado pela rigidez com que tratava projetos e convênios. “Sempre tive bastante cuidado e zelo pelo bem público. Se os convênios foram prorrogados, foi para que as prefeituras concluíssem o trabalho”, justificou.

O deputado contou ainda que o instituto já havia feito as diligências que a Polícia Federal pretende hoje realizar. Afirmou ter a consciência tranquila e disse não se sentir desanimado nem intimidado em sua tarefa como parlamentar atuante. Por fim, questionou a afirmação, veiculada por parte da imprensa, de que o mandado havia sido coercitivo. “Não é verdade, pois fui e voltei dirigindo meu veículo. Foi na realidade uma intimação”, destacou Zé Roberto, agradecendo a solidariedade dos parlamentares, lideranças e filiados do seu partido.

Além de Zé Roberto, o deputado Rocha Miranda (PMDB) recebeu o apoio dos demais parlamentares. Também ouvido durante operação da Polícia Federal, Miranda era prefeito de Araguatins à época da realização dos convênios com o Incra destinados a obras em assentamentos localizados no município.

AL TO

Postagens relacionadas

MP aponta prejuízo de R$ 12 milhões na previdência e pede afastamento de prefeito de Formoso do Araguaia

Gilberto Silva

Tocantins – Cliente é flagrado escondendo bebida debaixo da cadeira durante fiscalização em bar

Gilberto Silva

Polícia Civil do Tocantins registra queda nos números de Crimes Violentos, Letais e Intencionais em Araguaína

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies