GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Tocantins

Tocantins registra redução no índice de trabalho infantil, mas ainda tem mais de 20 mil crianças trabalhando

O Estado do Tocantins registrou queda no número de crianças que trabalham. Em 2014, 8,6% da população na faixa etária de 5 a 17 anos trabalhava no Estado, ou seja, 30.866 infanto-juvenis. Em 2015, eram 4,7%, ou 21.278 crianças e adolescentes trabalhando. Os dados foram disponibilizados pela Fundação Abrinq, com base nas informações mais recentes coletadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mesmo período, o número de casos de crianças entre 5 e 17 anos que trabalham no Brasil passou de 3.331.378 (8,1%), para 2.671.893 (5%).

O trabalho é proibido no Brasil para crianças na faixa etária de até 14 anos, de acordo com o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA). Para crianças com 14 e 15 anos é permitido apenas a condição de aprendiz, ao passo que adolescentes de 16 e 17 podem trabalhar, desde que não seja em condições insalubres, jornada noturna e que não comprometa a atividade escolar.

Conforme o Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedeca-TO), o quantitativo de crianças trabalhando no Tocantins ainda é alarmante. Secretária executiva da entidade, Mônica Brito apontou para a necessidade de implementação, pelo poder público, de uma política eficaz de combate ao trabalho infantil, tendo em vista os impactos sociais e econômicos que a situação provoca a curto, médio e longo prazos.

“É um círculo vicioso. O pai e a mãe desempenham o trabalho infantil, depois seus filhos. Assim, o quadro vai se perpetuando, e não vai mudar se não tiver uma forte intervenção estatal. Isso é uma situação gravíssima, que impacta diretamente no desenvolvimento do Estado, visto que uma criança que não pode se dedicar aos estudos, será o adulto que terá que recorrer ao subemprego, mantendo o círculo da pobreza”, alertou Mônica.

Números por faixa etária

Na amostragem por faixa etária, o estudo divulgado pela Fundação Abrinq aponta que no Tocantins, 0,8% (ou 1.020) das crianças de 5 a 9 anos trabalhavam em 2014. Já em 2015, houve leve redução para 0,6%. Na faixa dos 10 a 14 anos, a redução foi mais significativa, caindo de 5,6% (ou 8.161) para 2,9% (4.055). Também foi significativa a redução na faixa etária de 15 a 17 anos, baixando de 27,2% (21.685) para 19% (16.463).

No Brasil, no recorte da faixa etária entre 5 e 9 anos, foi registrado aumento de 0,5% (69.928) para 0,6% (78.527) de crianças trabalhando.

Trabalho doméstico

De acordo com informações divulgadas pelo Cedeca-TO, no ano de 2014 a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) indicava que 93.801 crianças e adolescentes do Tocantins desempenhavam atividades domésticas por, pelo menos, 8 horas por dia.

“Este dado aponta que a justificativa de muitos responsáveis pelas crianças e adolescentes de ‘ajuda e ensinamento dos cuidados com a casa’ tem sido realizado em sobrecarga horária. Desta maneira, o desenvolvimento do aspecto social, psicológico e cognitivo está sendo atravessado e mediado pelo trabalho. Enquanto deveria estar sendo garantido o direito à educação, lazer com o intuito de que na vida adulta este trabalho fosse produzido com sentido”, avalia o Cedeca.

No recorte de gênero, demonstra-se que entre as crianças realizando este tipo de atividade no Estado, a maioria são meninas. Em números absolutos, são 56.247 meninas e 37.554 meninos realizando atividades domésticas. As horas dedicadas pelas meninas ao serviço também são maiores, em média 13 horas/dia. Já os meninos, dedicam em média 8,6 horas/dia à atividade doméstica.

Trabalho infantil x Pobreza

A Fundação Abrinq, alerta para a estreita relação entre o trabalho infantil e a pobreza. “Famílias mais vulneráveis tendem a empregar mão de obra infantil em suas lavouras, comércios e em serviços domésticos não remunerados. Esses mesmos estudos mostram que as taxas de trabalho infantil aumentam em regiões afetadas por secas, inundações e más colheitas, pois, para amenizar os danos econômicos sofridos, as famílias acabam utilizando seus filhos como mão de obra”, aponta a Fundação.

No Brasil, existem 23 milhões de crianças que vivem na pobreza ou na extrema pobreza, com renda per capita inferior a 1/4 do salário mínimo. “Para se ter uma ideia, este número corresponde a mais do que a metade das crianças brasileiras de até 14 anos e é maior que a metade da população total da Argentina (43 milhões)”, informa a Fundação Abrinq.

Postagens relacionadas

No Tocantins, 10 metros de rodovia foram levados pelas águas em um trecho da TO-080

Gilberto Silva

No norte do Tocantins, Ataídes Oliveira ganha apoio de candidato de chapa adversária

Gilberto Silva

Tribuna Livre da Câmara Municipal de Araguaína recebe representante da Associação dos Pequenos Produtores APRONAPI

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies