GS NOTÍCIAS – Portal Gilberto Silva
Tocantins

TSE mantém inelegível prefeito eleito em cidade do Tocantins que terá nova eleição

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu manter inelegível o candidato à prefeitura de Taguatinga/TO, que obteve maioria de votos nas últimas eleições municipais, Paulo Roberto Ribeiro. O político teve suas contas reprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), referentes ao período em que foi prefeito do município, devido a irregularidades na aplicação de recursos de convênio firmado com a União. A decisão seguiu entendimento da Procuradoria-Geral Eleitoral. Com a inelegibilidade do candidato, o TSE determinou a realização de novas eleições para a prefeitura no município.


Durante a sessão, realizada nesta terça-feira, 14 de fevereiro, o vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, sustentou ser atribuição conferida pela Constituição Federal ao TCU julgar as contas de prefeitos quanto à gestão de recursos federais transferidos aos municípios mediante convênio, acordo, ajuste ou outro instrumento similar firmado com a União. Há pelo menos quatro acórdãos do Tribunal de Contas da União que reprovaram convênios da prefeitura de Taguatinga com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), durante a gestão de Ribeiro.


Para Dino, os acórdãos apontam irregularidades insanáveis e a prática de ato doloso de improbidade administrativa, conforme entendeu o Tribunal Regional Eleitoral de Tocantins (TRE/TO), o que enseja a aplicação da causa de inelegibilidade prevista pela Lei da Ficha Limpa (alínea “g”, inciso 1º, artigo 1º da Lei Complementar 64/90). “Corretamente agiu o TRE/TO, considerando que efetivamente a competência é do TCU para examinar contas de convênio com a União”, destacou Dino ao defender a manutenção da decisão da Corte Regional pela inelegibilidade do candidato.


O vice-PGE também afastou a tese da defesa de que houve supressão de instância, pelo fato de o juiz de primeiro grau não ter apreciado o mérito das irregularidades. Segundo Dino, aplica-se ao caso a chamada teoria da causa madura, prevista no artigo nº 1.013 do Código de Processo Civil (CPC). Segundo esse dispositivo, recurso interposto contra sentença confere ao Tribunal a atribuição para analisar todas as questões suscitadas no processo, ainda que não tenham sido apreciadas pela instância inferior.

A instância regional analisou bem as situações detectadas pelo TCU e constatou, diante da causa madura, ocorrência da inelegibilidade, por força da natureza insanável das irregularidades”, destacou Dino. Segundo ele, a aplicação dessa tese ao caso não implicou em cerceamento de defesa, visto que o candidato teve ampla oportunidade de debater todas as questões suscitadas no decorrer do processo. Por unanimidade, o plenário do TSE seguiu o voto da relatora do Recurso Especial Eleitoral (Respe) 24020/2016, ministra Rosa Weber, para manter inelegível o candidato e determinar a realização de novas eleições.

Assessoria de Comunicação Estratégica do PGR

Postagens relacionadas

MPE denuncia acusados de roubo à casa do prefeito de Tocantínia

Gilberto Silva

Tocantins – Colisão frontal na TO-080 deixa vítimas gravemente feridas e um óbito

Gilberto Silva

Projeto aprovado na Assembleia pretende organizar a piscicultura no Estado

Gilberto Silva

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies