Vigia baleado por PM aposentado fala pela 1º vez sobre o caso

O vigia Edsandro Celestino da Silva, 35 anos, que foi baleado por um policial militar aposentado após ser confundido com um criminoso, falou pela primeira vez sobre o caso. Ainda no hospital, ele contou o que aconteceu na última segunda-feira (6), quando levou dois tiros enquanto trafegava em uma motocicleta pelo setor Patrocínio em Araguaína. Segundo ele, o policial dizia que iria atirar na cabeça da vítima.

“Ele a toda hora falava que iria atirar na minha cabeça. E eu sempre falando para ele que eu não era ladrão, que eu era um pai de família e que eu não precisava disso. E ele com a maior ignorância comigo, mandando eu calar a minha boca”, relatou.

Edsandro levou dois tiros, um no braço esquerdo e outro no peito. Ele segue internado no Hospital Regional de Araguaína. Quem atirou no vigia foi um policial militar aposentado. João Carlos Martins, de 54 anos, teria confundido Edsandro com um criminoso. Pouco antes dos disparos, a filha do militar tinha sido assaltada.

O PM se apresentou na delegacia acompanhado do advogado e da filha e entregou a arma que teria usado no dia do crime, mas depois de prestar esclarecimentos foi liberado.

A família de Edsandro está indignada com a violência da abordagem. “A gente pede Justiça, que isso não fique impune porque uma pessoa dessa não pode se esconder atrás de uma patente militar para cometer uma atrocidade dessa”, disse o primo da vítima, Cláudio Conceição.

Edsandro é vigia em uma escola estadual. “É um rapaz de responsabilidade, é um rapaz que leva tudo a sério. Tudo que passa para o Edsandro, ele faz com responsabilidade, exatidão e precisão. Temos toda a certeza que ele não é o tipo de pessoa que aquele senhor caracterizou”, relatou o professor Joel Augusto da Luz.

O caso aconteceu na última segunda-feira (6). Um vídeo mostra a vítima caída implorando por ajuda e tentando explicar que não era ladrão.

Conforme a Polícia Militar, a filha do militar foi roubada momentos antes por um suspeito com uma motocicleta semelhante a da vítima. Depois disso, o policial da reserva saiu em busca do suspeito.

“Não fui eu não. Pelo amor de Deus, eu acabei de passar aqui. Fui levar minha sobrinha no colégio […] eu sou trabalhador”, diz Silva nas imagens.

Ao lado da vítima aparece o homem que seria o policial aposentado. Falando ao telefone, ele impede outras pessoas de se aproximarem do baleado. “Deixa ele aí. Eu também trabalho, rapaz. Você roubou minha filha ali […] senta aí, moço”, diz o homem no vídeo.

Conforme a Polícia Militar, será aberto procedimento administrativo para apurar o fato.

G1 TO

Comentários