Autor: sofiaribeiro

O desenvolvimento de novos medicamentos é demorado e caro, além de utilizar animais vivos em algumas etapas de seus testes. No entanto, o cenário está mudando graças aos órgãos em chips (ou organ on a chip, OOC, em inglês).Tradicionalmente, a primeira etapa do desenvolvimento consiste em células cultivadas em placas ou fracos, conhecida como in vitro. Depois, começam os testes realizados em animais como camundongos, coelhos e cachorros, com a etapa chamada de in vivo. É somente depois de 10 a 15 anos, em média, que os testes são realizados em seres humanos.No entanto, muitas vezes, os resultados em animais não…

consulte Mais informação

Uma caricatura sempre carrega um tom humorístico. De forma exagerada, o caricaturista acentua algumas características físicas e comportamentais daquele que quer ser representado em um retrato irônico.Porém, os artistas Aaron e Saemee, moradores de Honolulu, no Havaí, são um pouco mais ousados em relação ao que estamos acostumados. Nas redes sociais, na página Caricature Party, eles compartilham as obras e a reação das pessoas (que, talvez, vão embora com novas inseguranças desbloqueadas). Uma testa grande, um olho torto, um dente maior, um pelo fora do lugar… Qualquer coisa, até aquela que você nem percebia, pode se transformar em uma representação…

consulte Mais informação

Pesquisadores do Núcleo de Produção e Desenvolvimento de Medicamentos da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (NPDM-UFC) desenvolveram um enxerto que utiliza um biotecido originado da pele de tilápia-do-nilo para a recuperação em cachorros portadores de úlceras ou lesões graves de córnea.A técnica cirúrgica usa uma membrana rica em colágeno, substância que ajuda na reparação celular, e é utilizada como curativo no período pós-cirúrgico.Uma ótima notícia especialmente para os cachorros braquicéfalos, que costumam ter o focinho mais achatado e olhos maiores (como buldogues, pugs e shih-tzus), e são mais propensos a sofrer lesões de córnea.À revista de pesquisa…

consulte Mais informação

Imagina viver em um planeta sem litoral e onde nenhum dos habitantes saiba, sequer, o que são oceanos. Essa foi a premissa para a criação de um projeto vencedor do Space App Challenge, desafio mundial da Nasa que promove a busca de soluções para melhorar a vida na Terra e no Espaço.Embora não exista, até o momento, nenhuma comprovação de que há vida em outros planetas, a equipe de alunos da Unicamp desenvolveu uma plataforma que explica para possíveis extraterrestres de forma interativa como os oceanos são importantes e responsáveis por diversas formas de vida – a nossa, inclusive.Entre 58…

consulte Mais informação