Saúde

Dengue, febre amarela e doença de Chagas estão entre as doenças cuja transmissão ocorre por agentes externos, como insetos e besouros

17/06/2024 – 16:22  

Mário Agra / Câmara dos Deputados

Audiência Pública - Impactos da PEC 45/2023 no acesso a medicamentos à base de Canabidiol. Dep. Jorge Solla (PT-BA)

Solla: urbanização e mudanças climáticas tornaram doenças de transmissão vetorial uma ameaça mundial

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que cria uma política nacional de prevenção e controle das doenças de transmissão vetorial, como a dengue, febre amarela, leishmaniose e doença de Chagas. São doenças em que a transmissão é feita por agentes externos, como insetos e besouros, e não entre pessoas.

O texto estabelece as ações e metas da Política de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças de Transmissão Vetorial. Entre elas estão:

  • implementar ações de promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento e controle intersetoriais;
  • prestar atenção qualificada, integral e oportuna à saúde, com acesso ao diagnóstico e reabilitação por profissionais habilitados;
  • aprimorar a vigilância epidemiológica, com notificação e monitoramento dos casos;
  • identificar formas alternativas de transmissão e implementar medidas para controle e eliminação;
  • padronizar e disponibilizar medicamentos estratégicos necessários; e
  • sistematizar as atividades de mobilização e comunicação à socidade.

O texto aprovado foi o substitutivo do relator, deputado Jorge Solla (PT-BA), favorável ao Projeto de Lei 11225/18, do deputado Carlos Henrique Gaguim (União-TO), e apensado (PL 526/24).

O substitutivo é mais amplo do que a proposta original, que trata apenas de uma política de prevenção e controle da dengue, chikungunya e zika.

Medidas amplas

Solla afirmou que a proposta visa instituir uma política única e ampla para as doenças vetoriais, em contraponto às iniciativas fragmentadas atuais, por vezes dirigidas a apenas uma espécie de vetor, como o Programa Nacional de Controle da Dengue.

“Ocorre que o atingimento das metas, muito frequentemente, fica bastante aquém do que se necessita diante da gravidade crescente da situação e da integração indispensável”, disse Solla.

O relator afirmou ainda que a intensa urbanização e as mudanças climáticas tornaram as doenças de transmissão vetorial uma ameaça mundial. “A Organização Mundial da Saúde [OMS] traçou diretrizes para o esforço de responder à ameaça de vetores de doenças [a Global Vector Control Response 2017-2030], no qual procura traçar diretrizes para todos os países”, afirmou.

Próximos passos

O projeto será analisado agora, em caráter conclusivo, pelas comissões de Finanças e Tributação, e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

  • Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Janary Júnior

Edição – Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara Notícias’.


Sua opinião sobre: PL 526/2024